<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d308543212862965757\x26blogName\x3dYakusoku+no+basho...\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://vega-altair.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://vega-altair.blogspot.com/\x26vt\x3d801216606541435128', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sábado, 22 de novembro de 2008

Amigos? @ 8:03:00 PM

"Tenho amigos que não sabem o quanto são meus amigos. Não percebem o amor que lhes devoto e a absoluta necessidade que tenho deles.
A amizade é um sentimento mais nobre do que o amor, eis que permite que o objeto dela se divida em outros afetos, enquanto o amor tem intrínseco o ciúme, que não admite a rivalidade. E eu poderia suportar, embora não sem dor, que tivessem morrido todos os meus amores, mas enlouqueceria se morressem todos os meus amigos! Até mesmo aqueles que não percebem o quanto são meus amigos e o quanto minha vida depende de suas existências...
A alguns deles não procuro, basta saber que eles existem. Esta mera condição me encoraja a seguir em frente pela vida. Mas, porque não os procuro com assiduidade, não posso lhes dizer o quanto gosto deles. Eles não iriam acreditar.
Muitos deles estão lendo esta crônica e não sabem que estão incluídos na sagrada relação de meus amigos. Mas é delicioso que eu saiba e sinta que os adoro, embora não declare e não os procure. E às vezes, quando os procuro, noto que eles não tem noção de como me são necessários, de como são indispensáveis ao meu equilíbrio vital, porque eles fazem parte do mundo que eu, tremulamente, construí e se tornaram alicerces do meu encanto pela vida.
Se um deles morrer, eu ficarei torto para um lado. Se todos eles morrerem, eu desabo! Por isso é que, sem que eles saibam, eu rezo pela vida deles. E me envergonho, porque essa minha prece é, em síntese, dirigida ao meu bem estar. Ela é, talvez, fruto do meu egoísmo.
Por vezes, mergulho em pensamentos sobre alguns deles. Quando viajo e fico diante de lugares maravilhosos, cai-me alguma lágrima por não estarem junto de mim, compartilhando daquele prazer...
Se alguma coisa me consome e me envelhece é que a roda furiosa da vida não me permite ter sempre ao meu lado, morando comigo, andando comigo, falando comigo, vivendo comigo, todos os meus amigos, e, principalmente os que só desconfiam ou talvez nunca vão saber que são meus amigos!"

Eu dou valor aos meus amigos. Na verdade, eu acho que a minha maior fraqueza são meus amigos, meu calcanhar de Aquiles, e às vezes eu tenho certeza que levo patada sem precisar.
Eu não deixo de gostar das pessoas porque elas brigaram com alguém do mesmo ciclo de amigos. Não sou falsa a ponto de bajular pessoas que eu não gosto, que eu não quero contato. Não, não sou assim. E se você acha que sou assim, não me conhece. Não tentou me conhecer... Não fez nada.
Se você chama as pessoas com quem você anda de amigos... Ah, querido... Eu tenho pena de você. Pena de verdade.

Aliás, preciso ler André Vianco urgente.

|

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Jogar tudo pro ar... @ 1:23:00 PM


Nossa. Hoje eu acordei com vontade de largar mão de tudo. Ando ouvindo tanta merda, que melhor eu ficar quietinha... Respirar e contar até 10 pra não mandar as pessoas que eu gosto tomarem no cu ou irem se foder. Mas é feio, Deus não gosta, e ELE sabe que eu também não.
Me considero uma pessoa MUITO paciente, e muito calma. Eu chego a ser boba de tão passiva em determinados assuntos. Falo palavrão? Claro. Sou humana, afinal...
Mas...
Eu de fato não gosto de palavrão. Não gosto de falar putaria, não gosto de me sentir pressionada nem humilhada. Sabe aquele ditado do "Não faça com os outros o que você não quer pra si"? Então.
Masssss...
De algum modo eu tô feliz. u_u Eu tô contando os dias para que esse ano perebento termine.
E se Deus quiser vai terminar logo logo. *-*

E é isso.

|

Vongola X

Juliana
São Paulo, SP, Brazil
20 anos - Designer -Fã de anime/mangá/tokusatsu/cosplay.

Famiglia


Vongole. Nene.

archives

Julho 2008, Agosto 2008, Setembro 2008, Outubro 2008, Novembro 2008, Abril 2009, Junho 2009,

layout

Designer: Chrome